You are currently browsing the category archive for the ‘Viveiro comunitário’ category.

No passado dia 17 de Setembro, cerca de 15 pessoas deslocaram-se ao Centro de Fruticultura Subtropical e Quintinha da Esmeralda, no Funchal, para aprender um pouco de know-how de viveiros, árvores e plantas, de forma a aplicar esse conhecimento posteriormente na realização de um viveiro comunitário de árvores de fruta e plantas aromáticas na zona da Travessa do Ribeiro Francês.

(Remoção de terra de poço que irá fornecer a água para o viveiro comunitário)

Fomos recebidos pelo Engenheiro Jorge Caldeira e técnicos no Centro de Fruticultura, onde ficamos a conhecer as instalações do viveiro, as várias técnicas de enxertagem, as diferentes árvores de fruta que existem neste centro para investigação e ainda os diferentes serviços prestados à população.

(Engenheiro Jorge Caldeira a explicar as sementeiras)

Numa primeira fase, visitamos as sementeiras das diferentes árvores e o tempo foi pouco para esclarecer as inúmeras perguntas dos participantes! Sabiam que…neste centro, a terra para as sementeiras de árvores são uma mistura de bagaço de cana, bagaço de vinha e terra com uma mistura de composto? È importante que esta mistura permita a drenagem, daí a existência de algumas pedras. Ou que é muito frequente os citrinos sofrerem da doença da ‘tristeza dos citrinos’, daí a dificuldade de manutenção destas culturas. Ou, ou… Que a pitangueira tem muita procura para exportação? Que algumas árvores permanecem neste centro durante vários anos, antes da sua comercialização?

Numa segunda fase pudemos assistir ao vivo e a cores aos diferentes tipos de enxertia de um mangueiro (Enxerto de borbulho, em T, etc.). Embora tenha parecido relativamente fácil, existem inúmeros truques que só se adquirem com a experiência de muitos anos. Mais vale contar com os técnicos do Centro de Fruticultura Subptropical do Funchal os quais garantem um sucesso acima dos 90% nas enxertias que realizam e apenas pela simbólica quantia de 90 cêntimos por hora (!).

Ainda tivemos oportunidade de conhecer as famosas ovelhas raça Andina que possuem uma alimentação à base de bananeiras (80%).
Para finalizar a visita em grande, tivemos direito a carambola, feijó e outros frutos exóticos!

(quem sabe o que é este fruto, ah?)

De seguida fomos até à Quintinha da Esmeralda onde tivemos oportunidade de conhecer diferentes plantas (sobretudo plantas comestíveis), suas aplicações e como tratar alguns problemas de saúde. Durante quase 1h30, a D. Esmeralda foi incansável em responder às inúmeras perguntas dos participantes e sugerir uma ou outra plantinha para tratar diferentes desequilíbrios alimentares. Depois desta visita, há quem esteja a beber sumo de couve crua e maça todos os dias!

(Na quintinha da Esmeralda, com a D. Esmeralda e grupo  Madeira em Transição)

Foi uma tarde muito bem passada, aprendemos muitas coisas novas, agora há que colocá-las em prática!
Fica aqui um agradecimento a todos os que nos acompanharam e disponibilizaram-se para nos acompanhar durante estas visitas.

Anúncios